O CAPITAL DE GIRO EM “STARTUPS” – Por João Baptista Sundfeld (*)

Imprimir

A manchete estampada no caderno de Economia do jornal O Estado de S. Paulo do dia 05.10.14 ilustra o conteúdo deste artigo. A matéria do jornal (B8) dedica-se a empreendimentos que fracassaram por falta de planejamento. A manchete: “Metade das startups fecha em quatro anos”, ou seja, empresários interessados em iniciar um negócio fracassam após 48 meses de atividades.

 

 

A matéria trata da falta de preparo desses empresários que aplicaram seus recursos na esperança de iniciar um novo negócio. Vinicius Machado, gestor de projetos da Associação Brasileira de Startups, citado na reportagem, destaca que “a cultura de não saber administrar dinheiro como um dos fatores que mais prejudicam os jovens empresários brasileiros”.

 

 

Uma pesquisa do SEBRAE (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro Pequenas Empresas) revela que 39% desses empresários ignoram o capital de giro necessário para abrir a empresa e 46% iniciam o negócio sem conhecer os hábitos de consumo dos clientes.

 

 

Os resultados dessa pesquisa demonstram a falta de preparo desses empresários em princípios financeiros, que incluem conhecimentos básicos de administração de empresas, ou seja, o que significa Capital de Giro Líquido, Fluxo de Caixa e Marketing para estudos de mercado.

 

 

São conhecimentos técnicos de matérias encontradas em currículos de cursos superiores, nem sempre frequentados pela juventude, na suposição de que tudo será fácil. Vamos aos detalhes e conceitos financeiros dos negócios.

 

 

FLUXO DE CAIXA: Os valores em reais devem ser controlados em um fluxo de caixa, que nada mais é do que entrada e saída de dinheiro. Uma planilha Excel permitirá um bom controle diário do fluxo monetário.

 

 

CAPITAL DE GIRO LÍQUIDO: trata-se de parcela do capital aplicado em ativos e passivos de curto prazo (menos de um ano), ou sejam, ativos circulantes que em linguagem contábil significa os valores aplicados em Caixa, Bancos, Estoques, Contas a Receber (por vendas a prazo) e Estoques de giro, necessariamente, rápido. Por outro lado, incluem-se nos passivos circulantes de curto prazo as Contas a Pagar (aluguel, condomínio, água, energia elétrica, seguros) e Fornecedores que concederam prazos para pagamentos, Impostos a recolher e Folha de Pagamentos a empregados.

 

 

O resultado da subtração dos passivos em relação aos ativos circulantes, dará um resultado denominado Capital de Giro Líquido, o qual normalmente é positivo pois os ativos deverão ser maiores do que os passivos.

 

 

Os empresários precisam acostumar-se aos conceitos expostos, caso contrário não estarão em condições de gerir seu negócio.

 

 

MARKETING: Antes de iniciar os negócios é necessário conhecer o público que será envolvido, a concorrência existente e poder desses concorrentes e principalmente qual o mercado e onde se encontram os clientes e quais são seus hábitos de consumo.

 

 

São informações fundamentais que o empresário necessita conhecer. São estudos exigidos pela pesquisa de marketing, sem os quais o negócio poderá fracassar.

 

 

Os conhecimentos aqui expostos são imprescindíveis para o acompanhamento dos sócios no empreendimento. Com isso haverá possibilidade de invertermos os dados informados pela reportagem.

 

 

(*) João Baptista Sundfeld é economista, contador e atuário, mestre em educação, formado em constelações organizacionais, coach e sócio da Sundfeld & Associados - www.sundfeld.com.br

 

ooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooo

 

 

 

 

 

 

 

Contato

Nívio Terra - Advogado de Negócios e Consultor Pessoal
nivio@PortaldoSocioedaSociedade.com.br
nivio@terracpe.com.br

Credite a fonte

O CONTEÚDO DO PORTAL DESPERTOU INTERESSE, COPIE, MAS CREDITE A FONTE. SUA ÉTICA SERÁ O FISCAL DESTE PEDIDO.
Copyright 2011 O CAPITAL DE GIRO EM “STARTUPS” – Por João Baptista Sundfeld (*) - Joomla