AS EMPRESAS FAMILIARES – REFLEXÕES - Por Herbert Steinberg (*)

Imprimir

O tema – empresas familiares – é um dos mais estudados em Administração e, por tal motivo, o Portal do Sócio e da Sociedade apresenta o ótimo enfoque formulado pelo Professor Herbert Steinberg, com o título

O SALTO PARA A PERPETUIDADE

A FÁBULA DO BESOURO E DO PÁSSARO

TRAÇOS DE UMA EMPRESA FAMILIAR TÍPICA

que é parte integrante de uma coletânea de textos elucidativos preparada pela Mesa Corporate Governance, primeira consultoria brasileira a se dedicar com prioridade à dimensão humana da governança corporativa, constituindo um nicho sofisticado da moderna consultoria de gestão.

Outra parte foi editada, anteriormente, aqui no Portal do Sócio e da Sociedade, conforme link

http://www.portaldosocioedasociedade.com.br/index.php/estudos/administrativos/468-as-empresas-familiares-mesa-corporate-governance-por-herbert-steinberg

Eis o texto, ora disponibilizado aos leitores do Portal do Sócio e da Sociedade, em sua íntegra:

A crônica do nascimento, desenvolvimento e afirmação de uma empresa familiar lembra a história de um besouro (que, pelas leis da física, não deveria voar, mas voa) que sonha tornar-se um pássaro lindo e ágil.

Todo empreendimento nasce do sonho de uma ou mais pes­soas, parentes entre si ou não, o que já deixa claro que uma empresa familiar pode ser uma pequena federação de famí­lias. Há quem afirme que empresa familiar é aquela cujos controladores (ou controlador) desejam que seus sucessores sejam membros de suas famílias. Haja complicação para rea­lizar tal objetivo.

À etapa do sonho sucede-se a fase de operar para garantir a sobrevivência do negócio e das pessoas envolvidas. Quando a coisa prospera, passa-se à etapa de desenvolvimento, diver­sificação e sofisticação da atividade.

Mas, como a empresa familiar (ou multifamiliar) é um aglome­rado de pessoas, por vezes as questões emocionais são tão ou mais graves que as questões empresariais. É difícil para os envolvidos encarar a empresa como o elemento mais impor­tante, no terreno coletivo. Muita coisa é encaminhada de modo ambíguo.

Tomar decisões, ou simplesmente trabalhar, por vezes assume ares dramáticos. O que já não é simples fica ainda mais difícil quando se passa da primeira geração para a segunda, e desta para a terceira, sem que as decisões fundamentais e as ques­tões de relacionamento tenham sido bem encaminhadas.

É por isso que o equacionamento da governança e da gestão dessas empresas deve começar cedo e deve ser tocado com paciência, firmeza e persistência. Feliz da empresa que conse­gue manter juntos, e em cooperação, seus melhores elementos, e fazer com que seus piores desafios sejam os externos e não os que surgem de dentro de casa. Quem logra equacionar tudo isso já está mais perto de ser pássaro do que besouro.

(*)  “Dedico este estudo aos milhares de empreendedores anônimos ou

pouco conhecidos que fizeram e fazem o vigor da economia brasileira.”

Herbert Steinberg – fundador da Meca Coporate Governance, é consultor em


governança corporativa e desenvolvimento humano.

www.corporategovernance.com.br

www.asempresasfamiliares.com.br

mesa@corporategovernance.com.br

Tel.: 55(11)3078-2828 – Fax: 55(11)3168-8822

Texto preparado por Nívio Terra, Organizador

do Portal do Sócio e da Sociedade.

Contato

Nívio Terra - Advogado de Negócios e Consultor Pessoal
nivio@PortaldoSocioedaSociedade.com.br
nivio@terracpe.com.br

Credite a fonte

O CONTEÚDO DO PORTAL DESPERTOU INTERESSE, COPIE, MAS CREDITE A FONTE. SUA ÉTICA SERÁ O FISCAL DESTE PEDIDO.
Copyright 2011 AS EMPRESAS FAMILIARES – REFLEXÕES - Por Herbert Steinberg (*) - Joomla