Meu Sócio, Meu Amigo – Como Evitar Atritos Societários – 43 – SÓCIO NÃO SE VISITA ou INTROMISSÃO NA PRIVACIDADE

Imprimir
Categoria: E-book

                                                              

SÓCIO NÃO SE VISITA
ou
INTROMISSÃO NA PRIVACIDADE

Cada vez mais me convenço da validade da regra de que sócio não se visita, em reuniões festivas, caseiras, bem entendido.

Parece esquisito que alguém, como eu, propague a tese de os sócios cultuarem a amizade recíproca, e, ao mesmo tempo, proponha que não se visitem.

Defendo, na realidade, que as partes não se tornem invasivas. E a visita a que me refiro é aquela de se intrometer na vida pessoal e social da família do companheiro.

A amizade consciente e válida é desfrutada no ambiente do negócio e da atividade, no seu sentido mais amplo e não somente no espaço físico do estabelecimento. E na irmandade de sentimento.

Vou clarear essa minha orientação, mostrando que visitas caseiras somente trazem atritos desnecessários.

Cada pessoa tem a sua cultura própria, seu modo de viver. Nem sempre os familiares dos sócios pensam igualmente.

Da mesma forma, os amigos de um sócio nem sempre têm o mesmo afeto pelo outro participante da empresa.

O próprio anfitrião acaba ficando constrangido com essas diferenças de atenção.

Mais ainda, cada qual tem a sua prioridade, e nem sempre sequer equivalentes.

As diferenças sociais e culturais ocasionam críticas dos familiares, muito embora entre os associados não sejam levadas em conta; não se discriminam. Até quando?

Trago à baila interessante resposta dada pelo jornalista Alexandre Garcia à indagação do motivo de viver sozinho, apesar de ter um amor:

O que atrapalha o relacionamento é o diabo do sentimento de posse que acaba surgindo entre as pessoas. Os que se amam podem viver separados, estando juntos quando quiserem. Não há intromissão na individualidade. No mundo de hoje, individualidade é um bem precioso. 

O exemplo cuida de relacionamento amoroso, mas quem já não viu as interferências que, em muitas ocasiões, um sócio exercita na casa do outro?

Pode até ser com boas intenções, espírito de solidariedade, etc. Mas, comenta-se, o inferno está cheio de gente bem-intencionada lá.

Talvez seja porque quem recebe as interferências pense já ter chegado lá.

Casa de campo, apartamento na praia, em comum.

Jamais!

Não adianta Código de Uso. As normas, quando existem, são sempre quebradas. Os amigos do filho do sócio não entendem a impossibilidade de usufruir as férias ou o período de Carnaval num desses locais.

Alguns cuidam melhor do patrimônio do que outros. E mais queixumes: sujeira, despesas com material em geral, casa desarrumada e um número colossal de itens a serem administrados. Por quem? Lógico que pelos sócios, donos do pedaço.

E, se não bastassem os problemas da empresa!

Ora bolas, qual a razão de se procurar sarna para se coçar?

Enfim, é uma zorra!

       Michaelis – Zorra: corr de zona sf bras gír Desordem, bagunça, confusão.

       (Nota do Autor.)

 

É a tal da intromissão na privacidade.

 

Tem mais. Suponho a hipótese de um dos sócios, por qualquer razão, não comparecer à festa do seu companheiro. E que isso ocorra umas tantas vezes, ainda que num largo espaço de tempo.

 

Sabe como é, todos têm os seus compromissos com a família: acompanhar a esposa ao cinema, levar e buscar os filhos em festas, ver as novelas ou a final do campeonato, etc. Ah, ia me esquecendo, participar da final de futebol soçaite com a turma.

 

Pronto. A família do anfitrião, ou seus amigos, acharão que é uma desfeita, para não falar em ofensa, que é pesado demais.

 

E os sócios não estão, pessoalmente, nem aí...

 

Até quando?

 

Será bom evitar o germe da intriga, que a tudo destrói. Até as mais firmes amizades e sociedades.


4     RESUMO DO TEMA

         SÓCIO NÃO SE VISITA ou INTROMISSÃO NA PRIVACIDADE

 

 

n                Sócio não se visita, em reuniões caseiras

n                A amizade válida é a desfrutada no ambiente do negócio ou da atividade

n                Diferenças sociais e culturais ocasionam críticas dos familiares

n                As interferências de um sócio na casa do outro se configuram como

                  intromissão na privacidade

n                Não seguindo a norma preconizada, a ausência poderá ser considerada uma   

                  desfeita 3 



---------------------------------------

Próxima edição:

Meu Sócio, Meu Amigo – Como Evitar Atritos Societários – 44 – 11/12/2012

EMPREGADO TORNADO SÓCIO

Período de publicação: a partir de 11 de dezembro de 2012




Contato

Nívio Terra - Advogado de Negócios e Consultor Pessoal
nivio@PortaldoSocioedaSociedade.com.br
nivio@terracpe.com.br

Credite a fonte

O CONTEÚDO DO PORTAL DESPERTOU INTERESSE, COPIE, MAS CREDITE A FONTE. SUA ÉTICA SERÁ O FISCAL DESTE PEDIDO.
Copyright 2011 Meu Sócio, Meu Amigo – Como Evitar Atritos Societários – 43 – SÓCIO NÃO SE VISITA ou INTROMISSÃO NA PRIVACIDADE - Joomla