Meu Sócio, Meu Amigo – Como Evitar Atritos Societários – 35 – O MERCADO É UMA GUERRA SÓCIOS, UNI-VOS!

Imprimir
Categoria: E-book

                                                                                  
 O MERCADO É UMA GUERRA SÓCIOS, UNI-VOS!

 

Não custa lembrar que as divergências entre sócios costumam trazer sérios prejuízos para as empresas, e por consequência, a eles próprios.

O pior é que nem sempre esses desencontros surgem com clareza, consistindo apenas em opiniões personalíssimas de cada um, longe daquelas necessárias a levar adiante os objetivos sociais.

No começo, não têm maior significado, apenas representam alguns pontos desconexos entre os proprietários. São imperceptíveis, interna e externamente.

Mas, com o passar do tempo e como aquelas discordâncias – insignificantes a princípio – não foram devidamente solucionadas, servem de berço a lutas internas que se tornam, certamente, públicas.

Ora, a concorrência está aí, atenta e pronta para avançar inexoravelmente sobre seus contendores.

Daí, a advertência que venho fazendo:

O mercado é uma guerra: sócios, uni-vos!

O que adianta a busca de um produto de qualidade e com preço palatável ao cliente, se este, sabedor do antagonismo existente entre os dirigentes de seu fornecedor, neles não confia?

Compensará o risco de ganhar o conflito – muitas vezes fratricida – com seu associado, mas vir a perder a competitividade no mercado?

Mais valerá substituir a energia da luta interna pela sinergia na busca e aumento da clientela.

Impossível atender bem o cliente estando em desconforto pessoal.

Muito se tem comentado que a perda de um consumidor representa um custo bem maior que a captação de um outro. E o que se falar, então, da perda de um sócio? Interessa muito à empresa a fiel preservação de seus membros.

E ela melhor se posicionará se tiver uma atuação una, indivisível, com seus condutores agrupados, firmemente, em torno de seu real objetivo, que é a obtenção do lucro através da conquista do mercado.

A discordância irracional não é característica somente de associado e contamina, da mesma forma, executivos.

A jornalista Maria Tereza Gomes, editora de Você S.A., contando histórias de insucesso de executivos num novo emprego, traz o testemunho do headhunter Helio Castro, bem significativo,

...enquanto executivo e empresa tentam se entender, o concorrente está na rua, lançando produtos, ganhando participação de mercado. E, claro, o profissional que deixou de tomar as decisões certas na hora certa vai sempre levar a fama de ter falhado.

Pelos funestos resultados que atraem, devem os dirigentes atentar para os riscos que correm pelos seus desentendimentos.

O Dr. H. Spencer Lewis, F.R.C., Ph.D, líder da Ordem Rosacruz, AMORC, em um de seus admiráveis livros emite conceitos para quem deseja atuar no lar e nos negócios com espírito altruístico.

Entre eles, selecionei texto exemplar:

Conheci pessoas que sofriam de dores de cabeça, depressão, formas leves de tontura, unicamente por causa de uma atitude de inveja, desconfiança, antipatia. ciúme ou outro tipo de pensamento mau para com outras pessoas, grupos ou condições.

No campo profissional, descobri que o mesmo se aplica igualmente: o dono de uma loja ou de uma fábrica, o vendedor, o datilógrafo e qualquer outra pessoa que trabalha e faz suas tarefas mantendo uma atitude desarmônica, ainda que secreta, para com uma pessoa ou grupo de pessoas, para com seus sócios ou para com as condições do trabalho, em geral passa a ter problemas e experimenta uma forma definida de reflexo dessa atitude. Seus negócios irão menos bem, os competidores terão sucesso onde ele fracassa, ou ele verá boas oportunidades fugindo e a clientela se afastando. (Negritos do autor)

Mas, se é fácil falar que eles devem se manter solidários, mesmo quando o punhal da divergência já começou a afastá-los, melhor será a proposta de uma solução que não seja a separação.

Os interessados mantendo um efetivo e franco diálogo, procurando sanar, logo de pronto, aquele pequeno desacordo, buscando resolvê-lo, retornarão ao bom convívio.

Reflitam, sócios emburrados, sobre a tese de que perda de mercado é coisa séria, cabendo a reflexão antes da briga:... dá para tomar antes uma...?

 

4          RESUMO DO TEMA

 

       SUPERANDO AS INTOLERÂNCIAS NA BUSCA DO SUCESSO

 

n                Posições intolerantes dos sócios nada de bom produzem

n                A divisão de tarefas soluciona a discordância inicial

n                Quem faz o que lhe apetece, reduz o seu erro

n                Quem erra, geralmente busca refúgio na acusação infundada a terceiros

n                Os classificados na mídia procurando sócio não cuidam dos requisitos  

                  desejáveis para  integração de parceiros

n                O emocional precisa ser balanceado com o racional

n                Estudo da questão com o auxílio de consultor externo costuma contornar

                 desavenças

n                O sucesso da sociedade é o sucesso de seus sócios3


Próxima edição:

Meu Sócio, Meu Amigo – Como Evitar Atritos Societários – 36 – 21/09/2012

PARA AS INTRANSIGÊNCIAS, O DIÁLOGO

Período de publicação: a partir de 21 de setembro de 2012

 

 


--------------------

Contato

Nívio Terra - Advogado de Negócios e Consultor Pessoal
nivio@PortaldoSocioedaSociedade.com.br
nivio@terracpe.com.br

Credite a fonte

O CONTEÚDO DO PORTAL DESPERTOU INTERESSE, COPIE, MAS CREDITE A FONTE. SUA ÉTICA SERÁ O FISCAL DESTE PEDIDO.
Copyright 2011 Meu Sócio, Meu Amigo – Como Evitar Atritos Societários – 35 – O MERCADO É UMA GUERRA SÓCIOS, UNI-VOS! - Joomla