Meu Sócio, Meu Amigo – Como Evitar Atritos Societários – 28 – A CRÍTICA USUAL E O FENÔMENO DA TRANSPOSIÇÃO

Imprimir
Categoria: E-book
A CRÍTICA USUAL E O
FENÔMENO DA TRANSPOSIÇÃO

A separação dos dirigentes na sociedade para negócios é fruto de desacordos que se vão acumulando no tempo.
Merecerá estudo específico a sistemática utilizada pelo ser humano – ao menos o brasileiro – de criticar a tudo e a todos. Não tenho capacidade, nem vejo necessidade de descobrir a origem dessa insensatez. Apenas faço a constatação.
Por força dessa índole, o sócio, como ser humano, torna-se um ferrenho censor de seus companheiros.
Chamo isso de fenômeno da transposição.
As ansiedades surgem em variadas situações. São frustrações com o próprio trabalho, seus auxiliares e demais participantes da empreitada, ou mesmo em decorrência de incompreensões da família, redundando em cobranças impagáveis, ao menos naquele momento.
O indivíduo nem sempre pode censurar atos praticados pelos empregados, exorcizar fornecedores, lastimar-se de seus filhos, queixar-se de desavenças caseiras e, muito menos, praguejar o cliente, senhor de todas as horas.
Sobra somente o sócio, seu igual, a quem transfere, desloca, transpõe todas as suas aflições e angústias.
Atenção, o companheiro de trabalho não se equipara a um muro das lamentações, estático, desgastável unicamente pelos atritos físicos dos chorosos.
Ele é uma pessoa amiga que está ao seu lado para os bons ou maus momentos, até em casos de aflição pessoal, nunca, porém, como eterno receptor de censuras indevidas.
E é pior quando essa manifestação desairosa, feita às costas, por trás, somente chega ao conhecimento do acusado por comentários de terceiros. Por vezes, com exagero e maldosamente, com intenções nem sempre claras.
Presenciei muitos desses atos, percebendo que o destinatário sequer conhecia a razão das imprecações.
E o desavisado criticado paga o pato! Mas, nem sempre está ele disposto a aturar o que considera desaforos, broncas descabidas.
E segue-se a lei da física: a toda ação corresponde uma reação em sentido contrário...
Conflitos à vista; danos à sociedade, perdas generalizadas.
O que proponho? Deixar de lado a aplicação do chamado fenômeno da transposição.
Tapete vermelho, Jubilosos abraços. Banda, saudações. Por favor. Obrigado. Nada mais, nada menos do que simples respeito e educação. Tanto do crítico, como do criticado.
Você não gostaria de ser recebido dessa forma? Ele também! A compreensão começa conosco.
4 RESUMO DO TEMA

A CRÍTICA USUAL E O FENÔMENO DA TRANSPOSIÇÃO

O brasileiro é um crítico, de tudo e de todos
O sócio segue o mesmo estilo
É o fenômeno da transposição
Quem não pode censurar empregados, fornecedores, filhos, etc. volta-se contra o sócio
Quando não está disposto de ser muro das lamentações reage, causando danos à 
sociedade
Sócio merece, isto sim, tapete vermelho. Banda, saudações. Por favor. Obrigado.
A compreensão começa conosco3

---------------------
Próxima edição:
Meu Sócio, Meu Amigo – Como Evitar Atritos Societários – 29 – 11/07/2012
ADMIRANDO O SÓCIO
Período de publicação: a partir de 11 de julho de 2012

Contato

Nívio Terra - Advogado de Negócios e Consultor Pessoal
nivio@PortaldoSocioedaSociedade.com.br
nivio@terracpe.com.br

Credite a fonte

O CONTEÚDO DO PORTAL DESPERTOU INTERESSE, COPIE, MAS CREDITE A FONTE. SUA ÉTICA SERÁ O FISCAL DESTE PEDIDO.
Copyright 2011 Meu Sócio, Meu Amigo – Como Evitar Atritos Societários – 28 – A CRÍTICA USUAL E O FENÔMENO DA TRANSPOSIÇÃO - Joomla