Meu Sócio, Meu Amigo - Como Evitar Atritos Societários - 6 - Confiança - Fator Básico Para Uma Sociedade - Sócio: Você Serve Para Isso?

Imprimir
Categoria: E-book

CONFIANÇA - FATOR BÁSICO PARA UMA SOCIEDADE

A confiança é requisito primordial para se cogitar de sociedade saudável.

Essa característica que deve prevalecer entre sócios me foi formulada, há alguns anos atrás e pela primeira vez, por Nelson Weingrill, empresário de largo tirocínio comercial, e com tal dialética que me fez assumir, definitivamente, o seu patrocínio como fundamental para a sobrevivência do organismo.

Não tenho dúvida em confirmar que o grupo não sobreviverá sem que haja entre eles um alto grau de confiança, o que foi ratificado por vários entrevistados na Sócio-Pesquisa.

É primordial que os integrantes maiores da empresa se respeitem e isso somente ocorrerá em havendo essa boa-fé múltipla e recíproca.

Mas precisamos levar em conta certos pressupostos inerentes a essa qualificação.

Em primeiro lugar, a confiança não é um ato impositivo: você deve confiar em mim!

Esse crédito necessita ser obtido, ganho e renovado! Ele decorre de uma atuação clara, na qual a sinceridade é fator primordial.

O sócio, no seu trabalho diuturno, precisa ser transparente perante o colega de empresa. Não deve ficar pensando que ele já o conhece e, assim, é dispensável sua atenção.

Não nos esqueçamos: quem tem sócio tem patrão. E isso não é demérito, desde que represente pensamento positivo e recíproco.
O fato de eu ser um líder não significa que não deva contas ao meu sócio.

Em razão das divergências entre palestinos e judeus, o Rei Hussein, da Jordânia, fez constar de carta enviada ao Primeiro-Ministro Binyamin Netanyahu, de Israel:

“... pode alguma relação digna prosperar quando faltam respeito e confiança recíprocos?”

O consultor e professor Cassarro Neto expõe seu pensamento com grande nitidez :

Saiba ouvir – há que darmos tempo às pessoas para que elas possam nos informar sobre elas mesmas, seus interesses e problemas. Portanto, devemos saber ouvir com atenção e interesse.

Harry Truman assumiu o cargo máximo dos Estados Unidos de uma forma inesperada, substituindo o presidente Roosevelt. Naquele momento, Truman não tinha o mesmo prestígio de seu antecessor, especialmente junto àqueles que assessoravam o dirigente falecido.

E, ao escolher um deles para permanecer no cargo em que se encontrava, usou de uma retórica muito clara e incisiva, que resume meu ponto de vista.

Disse ao escolhido: “Não precisamos nos gostar, basta que confiemos um no outro”

RESUMO DO TEMA
CONFIANÇA – FATOR BÁSICO PARA UMA SOCIEDADE

A sociedade vitoriosa depende da confiança mútua dos sócios
A confiança é ato aquisitivo e não de imposição
A transparência nas atitudes do sócio cria a confiança no seu companheiro
Quem tem sócio tem patrão
A confiança independe de se gostar, ou não, um do outro
ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

SÓCIO: VOCÊ SERVE PARA ISSO?

Para conceituar o sócio não basta dizer que “é o membro da sociedade”.

A definição é muito limitada e não atende à finalidade a que me propus, que é defender a existência do colegiado.

O sócio é um ser humano composto de virtudes e defeitos, com elevada carga de deveres, obrigações e de sonhos.

Cabe a síntese: é um líder! Apesar disso, sente a necessidade de compartilhar sua aventura no mundo de negócios com alguma outra pessoa, pensando, até mesmo, em fazer um bem a ela, já que acredita no que está idealizando e deseja realizar.

A principal finalidade da procura de um sócio é a necessidade de complementar a sua eficiência própria, para executar uma parte da atividade empresarial.

Um capital financeiro maior é, muitas vezes, fator preponderante nessa pesquisa, originando expectativas errôneas quanto à personalidade e pretensões do sócio escolhido. Examinarei, oportunamente, essa questão.

O que se deseja, portanto, é a soma de esforços, de um modo geral. Mas o companheiro tem de se integrar na empreitada como dono, como mais um líder, participando dos trabalhos, dos lucros ou dos prejuízos.

Quem se acha capacitado para o exercício de todo o negócio pretendido e não necessita de capital raramente procura apoio.

Daí a existência de sociedade constituída, principalmente, entre cônjuges, na qual um deles, usualmente a esposa, surge apenas para criar a pessoa jurídica. Nesses casos o empreendedor não quer interferência na condução do negócio.

É só meu e não largo.

Nota-se que o trabalho da esposa ou companheira vem se incrementando na sociedade moderna, deixando de ser mera figura decorativa no contrato jurídico.

Por vezes até suplanta a atividade masculina, trazendo a riqueza para a família.

Não descarto a grande valia desse tipo de união empresarial, que até criam lojas especializadas e imprescindíveis, apesar do reduzido porte.

Vide o bazar da esquina, com seu arsenal de quinquilharias tão úteis no nosso cotidiano, a linha de cozer e o botão faltante na última hora.

Sem se esquecer da padaria do bairro, com o pão quentinho e o bolo para a sogrinha, que vem cuidar dos netos para se ir ao cinema.

O charme das pequenas é irresistível, como lembrado na expressiva reportagem de Claudio Renato, no jornal A Gazeta Mercantil, quando comenta a existência de livrarias como a de Zelina Castelo Branco, com seus livros raros, a Belas Artes, especializada em cinema e manifestações artísticas em geral. E mais umas trezenas delas distribuídas pelo país, com a dedicação de seus proprietários, verdadeiros mecenas.

Afinal, é uma tese válida; o que se constata é que a empresa de uma só pessoa – considero também como tal o trabalho coletivo entre esposos ou companheiros – tem muitas limitações no espaço e no tempo.

A dificuldade de trabalhar sozinha é que eu não posso crescer, diz com propriedade a microempresária Avany Moretto Leite.

Somente sociedades com participantes heterogêneos conseguem crescer além dos limites familiares e aumentar, cada vez mais, o campo de atuação.

RESUMO DO TEMA
SÓCIO: VOCÊ SERVE PARA ISSO?

O sócio é um ser humano composto de virtudes e defeitos, carregado de deveres,
obrigações e sonhos
Os sócios precisam somar esforços
A sociedade de marido e mulher pode significar desnecessidade de complementação de
habilidades
Lojas especializadas de reduzido porte são imprescindíveis
Sociedades com participantes heterogêneos aumentam o campo de atuação
-------------------------------------------
Próxima edição:
Meu Sócio, Meu Amigo - Como Evitar Atritos Societários - 7 - 01/12/2011
- Líder – Liderança: Como se exerce
- Vale a pena ter Sócio
Período de publicação: a partir de 01 de dezembro de 2011

Contato

Nívio Terra - Advogado de Negócios e Consultor Pessoal
nivio@PortaldoSocioedaSociedade.com.br
nivio@terracpe.com.br

Credite a fonte

O CONTEÚDO DO PORTAL DESPERTOU INTERESSE, COPIE, MAS CREDITE A FONTE. SUA ÉTICA SERÁ O FISCAL DESTE PEDIDO.
Copyright 2011 Meu Sócio, Meu Amigo - Como Evitar Atritos Societários - 6 - Confiança - Fator Básico Para Uma Sociedade - Sócio: Você Serve Para Isso? - Joomla